Ser ou não ser cego



Fui ver este filme e fiquei absolutamente espantado.

Porquê? Porque não esperava TANTO da adaptação!

Ver o filme é ler o livro, é ler Saramago, é absolutamente tudo o que "Ensaio sobre a Cegueira" pretende transmitir, e mesmo assim tem aquele toque que o torna mais do que uma adaptação, mas sim uma longa-metragem com uma imagem de ficar espantado.

Há muito tempo que não assistia a uma adaptação cinematográfica tão boa. A minha felicidade por constatar que o filme é muitíssimo fiel ao livro é incomparável. E, como filme, é fenomenal, as interpretações, as caracterizações, os cenários, a imundície que nos mete nojo, a cegueira branca (muito interessante como o próprio espectador tem a oportunidade de viver essa "cegueira" através da luz branca que habita a imagem...), e são aproveitados ao máximo ilusões ópticas e tudo que faça o filme parecer exactamente saído do livro.

Com uma opinião tão entusiasta, poderão pensar que não encontrei pontos fracos, e de facto poucos foram. Só tenho a apontar um intervalo de tempo em que a acção não avança muito, e que se poderá tornar um pouco cansativo... Mas pouca coisa para mim!

Fernando Meirelles, está de parabéns ;) Vê-se que se esforçou arduamente para merecer as lágrimas do próprio Saramago.

10 comentários:

Lili disse...

Esse filme por aqui no Brasil foi bastante elogiado pela crítica! Ainda não assisti devido a correria dos estudos e trabalho. Mas com certeza agora nas férias vou redimir esta falta...

Agora, como entro de férias na semana que vem. Com certeza não perderei no dia 19 a estréia por aqui do filme Crepúsculo!! =)

Abraço

WhiteLady3 disse...

Saramago não me chama muito a atenção, mas já várias pessoas me aconselharam o livro pelo que o filme também está a despertar o meu interesse. É bom saber que está bem adaptado, o próprio Saramago parece ter ficado satisfeito e isso é, de certeza, um bom sinal.

Posso não o ir ver ao cinema, mas vem de certeza parar cá a casa quando sair em DVD.

Canochinha disse...

Hum... Nem pensar em ver o filme antes de ler o livro (que por sua vez ainda tem de esperar um bom bocado :D). Mas ainda bem que gostaste!

Pedro disse...

Lili,
o filme vale bastante a pena, mas olha que não fazias mal se lesses o livro primeiro ;) (presumo que aí no Brasil esteja publicado...).
Olha, por aqui (e, pelos vistos, não só), as críticas tanto são muito boas como péssimas. Alguns gostam, outros acham que está mau... Enfim, eu gostei muito!
Eu entro de férias daqui a 2 semanas! =D Ah, e logo na primeira semana quero ir ver o Crepúsculo, que já estreou cá =DDD

WhiteLady3,
se fiquei tão fascinado com o filme foi mesmo pela fidelidade ao livro! Acho que deves ler Saramago quando tiveres oportunidade, muita gente se sente intimidada com a sua escrita mas, na minha opinião, dá-nos sempre boas leituras, por vezes densas mas que sabem bem...
Saramago pelos vistos ficou felicíssimo! E tinha razão ;)
Quando sair em DVD será para ficar cá guardado =)

Canochinha,
Lê primeiro o livro, acho que sim ;) Mas tenho pena que vá demorar, porque acredita acho que ias gostar! Enfim, vou tentando convencer-te a aproveitar qualquer oportunidade ^_^

Um grande abraço

Equilibrista disse...

Bem, eu fui ver o filme, mesmo sem ler o livro... e fiquei simplesmente fascinada!
Gostei mesmo e também recomendo... é daqueles filmes onde temos a certeza de não estarmos a deitar um cêntimo ao "lixo". Profundo, sentido...

pikenatonta disse...

Pronto, livro para ler e filme para ver!! :)

Pedro disse...

Equilibrista,
em primeiro lugar, bem-vinda ao blogue!
O filme está mesmo fascinante, e isso o torna mais do que uma adaptação mas sim uma obra de Fernando Meirelles ;)
Veres o filme é como ler o livro. Valem bastante a pena!

Pikenatonta,
como cinéfila que és, sem dúvida tens de ver! ;)

Um grande abraço

JPD disse...

Olá Pedro

Ainda não vi o filme.

O livro li-o e fiquei muito impressionado.

Fisiologicamente, é tremendo cegar.
Socialmente, será intolerável a cegueira colectiva.
Politicamente, a história tem relatos quase incompreensíveis de cegueira.

Um exercício relevante.
Felizmente ha liberdade e margem para interpretações livres.
A grande virtude da democracia.
Um abraço

djamb disse...

Sem dúvida, um livro a não perder e um filme a ver!

anaaaatchim! disse...

Como sabes Saramago não me diz muito (não me batam demasiado...), mas confesso que fiquei empolgada com a tua crítica ao filme! Faço parte do clube da Canochinha, a ver o filme, antes terei que ler o livro!